sábado, 11 de fevereiro de 2012

Genealogia da família

 Nosso Blog visa reunir informações sobre a saga da família MASULLO, que migrou de Montesano Sulla Marcellana na Itália para o Brasil em 1875.



 Montesano Sulla Marcellana 2008


Igreja de Santo Andrea

Giuseppe Masullo e Antonia Ferzola:
Naturais da Itália, viviam em Montesano Sulla Marcellana na província de Salerno, na região da Campagna, sul da Itália. Não constam que tenham vindo para o Brasil, e sim os filhos:
Michele Masullo e Nicola Masullo.

1 – Michele Massulo: nasceu na Itália, em 1827, onde casou com Carolina Verune também natural da Itália,  filha de Nicola Verune e Antônia Tomarela, falecida em 29 de outubro de 1897, em março deste ano seu filho Francisco Miguel Massulo passa procuração à Albinio Alves Carneiro, para que cuide de sua parte no inventário e partilha pelo falecimento de sua mãe.
Nascimento de Michele Masullo


Este casal Migrou para o Brasil, vindos para Santo Antônio da Patrulha, onde já se encontravam em novembro de 1875.
Não sabemos onde Michel Massulo fixou sua residência, pelo que conta Luiz Sérgio, seu bisneto, Michel morava em Porto Alegre, próximo a Cristóvão Colombo, onde possuía um armazém. Encontramos ainda no arquivo público de Porto Alegre um processo onde Michel é processado por ter expulsado de sua casa uma inquilina sua, que estava com o aluguel atrasado, em 1902.
Miguel faleceu em Porto Alegre às 17 horas do dia 11 de setembro de 1909 com testamento; vítima de anemia progressiva (4ª zona, C55,18 – 1723), sendo sepultado no cemitério desta cidade. No óbito diz que Miguel morava na rua São Rafael, nº 84; era comerciante, com 78 anos de idade. Luiz Sérgio diz ainda, que Michel esteja enterrado no cemitério São João em Porto Alegre.
No óbito, consta os seguintes filhos: Francisco; Ernesto; Amadeu; João; Ercílio; Emilio, Delfina, Camila, Honorina, Alexandre e Achylles.



Seus filhos:

F1 – Francisco Miguel Massulo: nascido na Itália em 1863, veio ainda criança para o Brasil. A princípio morava em Porto Alegre, mas, mais tarde em Santo Antônio da Patrulha, onde era comerciante, e casou-se com Candida Caetano, nascida em 30 de março de 1872 filha de João de Deus Caetano e Maria Joaquina Peixoto. Faleceu Francisco em Santo Antônio em 16 de julho de 1927 vítima de pneumonia.


F2 – Camilla Massulo: nascida em 1871 na Vila de Montesano – Província de Salerno, Itália. Casou-se em Porto Alegre em 06 de junho de 1891 (Cart. 1ª zona, LB001, 162) com Lourenzo Miraglia, natural de Lauria – Itália em 1857, filho de Nicolau Miraglia e Rosa Lonca.  Moraram em Porto Alegre. 

F3 – Delfina Massulo: nascida em Santo Antônio em 25 de novembro de 1875, onde foi batizada em 30 de dezembro de 1876, foram padrinhos Inácio Machado Ramos e Ana Silveira Gomes (B8, 28). Casou-se com Izidoro Ernandes, em Porto Alegre. 

F4 – Achiles Massulo: nasceu em Santo Antônio em 25 de novembro de 1875 e foi batizado em 30 de dezembro de 1876, sendo padrinhos Inácio Machado Ramos e Ana Silveira Gomes (B8, 28). Morou em Porto Alegre, onde casou com Amélia de Oliveira, natural de Monte Negro, filha de Manoel de Oliveira e Amélia Rodrigues da Cunha. Achiles possuía um armazém na Cristóvão Colombo com o nome de Massulo, veio a falecer em Porto Alegre 02 de agosto de 1948 e foi sepultado no cemitério São João. Sua esposa Amélia, faleceu em 28 de novembro de 1945 em Porto Alegre. São pais de:

F5 – Ernesto Massulo: nasceu em Santo Antônio em 02 de julho de 1876, foi batizado em 02 de dezembro de 1876 em Santo Antônio, sendo seus padrinhos Miguel Pereira e Fermina Varon (B 8, 23).

F6 – Emílio Massulo: nasceu em Santo Antônio em 02 de julho de 1877, foi batizado em 02 de fevereiro de 1878 em Santo Antônio, sendo seus padrinhos Miguel Pereira e Maria Salinura Barroso (B8, 71); faleceu em 13 de março de 1880 com 2 anos de idade em Santo Antônio (Óbitos da Miraguaia).

F7 – Angelina Massulo:  nasceu em 1879 e faleceu em 07 de março de 1880 na Vila Palmeira com 11 meses de idade.

F8 – João Massulo: nasceu em Santo Antônio em 14 de dezembro de 1881, foi batizado em 29 de abril de 1882 em Santo Antônio, sendo seus padrinhos João Antônio Bitencurt e Maria Leocardia dos Anjos (B9, 52).

F9 – Emília (o) Massulo: nasceu em Porto Alegre em 07 de novembro de 1883, foi batizada na paróquia Menino Deus em Porto Alegre em 17 de fevereiro de 1885, sendo seus padrinhos o Pe. João Batista Scopet e o patrocínio de N. Sra. (B2, 14).

F10 – Amêdeo Massulo: nasceu em Porto Alegre em 21 de setembro de 1885, foi batizado na paróquia N. Sra. do Rosário em 27 de agosto de 1887, sendo padrinhos Aniello Fedulla e Honorina Soares da Silva (B20, 78v), faleceu em Porto Alegre em 10 de agosto de 1964, e está sepultado no Cemitério São Miguel e Almas. Casou em Porto Alegre em 24 de dezembro de 1921, com Cecília Abreu (C L49, f126), falecida em Porto Alegre em 02 de dezembro de 1985, sendo sepultada no Cemitério São Miguel e Almas. Moravam em uma casa de madeira junto a rua Germano Petersen Filho, 196, Auxiliadora; trabalhava de funileiro nos fundos de sua casa (no casamento, Amedeo diz ter nascido em Porto Alegre em 05 de junho de 1892). 

F11 – Honorina Massulo: nasceu em Porto Alegre em 28 de junho de 1887, foi batizada na paróquia N. Sra. do Rosário em 27 de agosto de 1887, sendo seus padrinhos Aniello Fedulla e Honorina Soares da Silva (B20, 79), faleceu em Porto Alegre em 01 de março de 1963, está sepultada no Cemitério São Miguel e Almas. Casou em Porto Alegre com Salvador D’Angelo, já viúvo, nascido em 04 de abril, filho de Ana D’Angelo.

F12 – Amedeu Massulo: nascida em Porto Alegre em 07 de julho de 1889, foi batizada na paróquia N. Sra. do Rosário em 27 de julho de 1889, sendo seus padrinhos Samuel Guazzelli e Maria José de Felippe (B23, 44).

F13 – Ercílio Massulo: consta no óbito do pai. Teria 26 anos em quando da morte do seu pai.

F14 – Luiz Adolfo Alexandre Massulo: consta no óbito do pai com 40 anos. É deserdado no testamento por não conviver com a família e sua parte da herança já haver sido paga quando dos honorários dos advogados que o defenderam na acusação de um crime cometido em Porto Alegre, pelo qual ficou 14 anos preso.


2 – Nicola Masullo: nasceu em Montesano Sulla Marcellana, província de Salerno, região da Campagna, sul da Itália, 19 de maio de 1834, onde casou em 08 de outubro de 1862 com Maria Rosaria Tangredi também natural da Itália,  nascida em 19 de junho de 1846, filha de Nicola Tangredi e Serafina Salvato (casados em 26 de abril de 1838, ele filho de Saverio Tangredi e Rosa Radesca e ela filha de Tomaso e Gaetana Barbella). Este casal Migrou para o Brasil, vindos para São Paulo. Diz Cândido Massullo que primeiramente veio Nicolau, que trabalhou durante um ano em São Paulo e depois mandou dinheiro para que sua família viesse. O fato é que em setembro de 1876 já se encontravam em Porto Alegre. Parece que moravam no Passo da Mangueira, como consta no batizado de seus dois filhos, José e Maria Antônia.
Nascimento de Nicola Masullo

Conforme o batizado de José Masullo e Antônia Masullo, Nicola Masullo residia no Passo da Mangueira, hoje bairro Petrópolis. Pelo que sabemos tratava-se de um reduto de italianos, na maioria, vindos da província de Salerno. Nicola Masullo teria morado em Porto Alegre de 1876 até por volta de 1884, pois em setembro de 1885, temos o nascimento de seu filho Manoel já em Viamão.
Conta Cândido Massullo Nunes, bisneto de Nicolau, que este morava em Águas Claras, perto do  arroio Águas Claras, e que ali possuía grande quantidade de terras, onde cultivava parreirais de uva, para a fabricação do vinho. Possuía também uma espécie de hospedagem para pessoas que iam para as praias no verão.
Nicolau Massullo e Maria tiveram 5 filhos, a saber:
F1 – Serafina Massullo: nascida na Itália. Veio juntamente com seus pais para o Brasil.
F2 – José Massullo: nascido em Porto Alegre à 01 de setembro de 1876.
F3 – Maria Antônia Massullo: nascida em Porto Alegre em 01 de outubro de 1879.
F4 – Antônio do Carmo Massullo: nascido em Porto Alegre em 13 de maio de 1880.
F5 – Manoel Massullo: nascido em Viamão em 15 de setembro de 1885.
Maria Tarequez, esposa de Nicolau Massullo, faleceu em casa em 01 de abril de 1890, (Águas Claras) de parto. Foi sepultada no cemitério público de Viamão em sepultura rasa grande, extra muros na catacumba 03, conforme consta no 3º livro de óbitos de Viamão à folha 59, n.º 157. Seu inventário foi autuado no Cartório de Órfãos e Ausentes de Viamão (arquivo público M127 M6). Diz no inventário que Nicolau Massullo possuía um pedaço de campo na Faxina, logo adiante das Águas Claras com uma casa pequena com 3 portas e uma janela para o poente, num total de 500.000 reis.
Viúvo, Nicolau Massullo casou-se uma segunda vez, em 25 de maio de 1891 (exatamente 1 ano, 1 mês e vinte cinco dias depois) com dona Maria Joaquina da Rocha, nascida por volta de 1849, filha de Joaquim Pantaleão de Santana e Feliciana Furtada da Rocha (livro de casamento da Paróquia Nossa Senhora da Conceição de Viamão n.º08 folha 09). No entanto, Maria Joaquina da Rocha, veio a falecer em 06 de setembro de 1891, de parto e foi sepultada no cemitério público de Viamão, na catacumba 32 em sepultura rasa grande no muro; conforme consta no 3º livro de óbitos de Viamão folha 9v, nº 84. No parto nasceu morta:
F6 – Ana Massullo, que foi sepultada no mesmo dia no cemitério público de Viamão, em sepultura rasa pequena, na catacumba 32 (livro de óbitos 03 nº83).

Ficando novamente viúvo, casou-se Nicolau Massullo em 29 de maio de 1892 com dona Maria de Sousa Rocha, filha de Joaquim Gonçalves Ribeiro e Leopoldina da Silva Rocha (cartório de Águas Claras, L01 f 31v).
Em 03 de abril de 1893, Nicolau comprou de Pedro Américo da Silva e sua mulher Carlinda de Souza Feijó, um quinhão de campo de mato no lugar denominado data da Figueira no Faxinal de Águas Claras, que possuía por haver comprado de Nozário Martins de Ávila, que é vendido, descontando a 5ª parte que é de Joaquim Fraga. O preço da venda foi de 300.000 reis. (Águas Claras, transmissões, livro 2 a, 16). Segundo Cândido Massullo, estas terras são as que hoje pertencem a Celso Nunes.
Em 16 de junho de 1897, Nicolau vendeu a José de Deus Felipe, um pedaço de campo e matos, no faxinal, na data da Figueira, com 20 braças de largura de frente, como ponto de partida a divisa e  a estrada dos Viegas e herdeiros de Ceferido Soares de Souza, com fundos para os herdeiros de  Disefredo  e pelo outro com o comprador . O terreno foi comprado de herdeiros da família Sanhudo por 900.000 Reis. (neste termo José Massullo, assina desta forma). (Águas Claras, transmissões, livro 2 a, 98).
Em 27 de agosto de 1898, Nicolau vendeu a Nozário Montrois de Ávila, um pedaço de campo e matos, no lugar denominado Quadro da Vila e Matos da Figueira. Na frente tem partida com um marco de pedra que será colocado numa picada antiga, em linha reta desse marco para a frente e para o fundo, até a outra picada que sai da casa do comprador. Até outro marco de pedra que será colocado, seguindo pela picada que cruza a Lagoa da Tiririca. A venda foi feita por 300.000 Reis. (Águas Claras, transmissões, livro 5, 63).
Em 19 de janeiro de 1899, Nicolau hipoteca seus bens, a fim de conseguir um empréstimo com Antônio Inácio da Rocha, agricultor morador no 2º distrito. Nesta, ele declara que junto com sua esposa Maria Leopoldina da Rocha, são lavradores, residentes neste distrito; pede emprestado a quantia de 6 contos de Réis, que se compromete a pagar em 3 prestações anuais, com 12% de juro ao ano. Dá como garantia a hipoteca da moradia com tudo mais que consta na legítima de sua propriedade, que houvera por falecimento de sua mulher. Mais um pequeno sítio de plantações, campos e matos e casa de moradia que houveram por compra dos herdeiros do finado Felisberto Sanhudo, no campo do Bom Galope, com 40 braças de frente com 60 braças de fundo; tudo no lugar denominado Faxina em Águas Claras, e a data da Figueira e bem feitorias. (Águas Claras, transmissões, livro 5, 86).
No ano de 1899, no dia 27 de outubro, na residência de seu genro Nicolau Gorrese, Nicolau Massullo comprou dele Nicolau Gorrese e Serafina Massullo, parte da casa de moradia e parte no campo e matos com bem feitorias e plantas, excetuando as plantas de uma horta e uma carreta de madeira que se acha cortada, bens estes que houveram por herança de sua sogra e mãe; Nicolau Massullo pagou a quantia de 200.000 Réis. (Águas Claras, transmissões, livro 6,52).
Em 27 de dezembro de 1902 Nicolau vendeu à Meireles de Sousa Feijó, uma quantia de terras havida por herança de sua finada sogra Dona Leopoldina de Sousa Rocha, pela quantia de 120.000 Réis (Águas Claras, transmissões, livro 9,17).
Em 15 de fevereiro de 1907, Nicolau pagou a Antônio Inácio da Rocha a quantia de 6.000 Réis, referente a dívida feita na forma de hipoteca em 1899. (Águas Claras, transmissões, livro 13,60).
Cândido nos diz que Nicolau possuía ainda terras junto a lagoa branca. Na sua propriedade em Águas Claras,  Nicolau possuía hospedagem e casa de vinho.
Faleceu Nicolau Massullo em Águas Claras em sua casa, ao meio-dia de 05 de dezembro de 1919, sem assistência, sem tratamento, vítima de popeliscia; com 85 anos e 8 meses de idade (cartório de Águas Claras). Foi sepultado no Morro Grande. Pelo que contava Philomena Massullo, Nicolau se negou a tomar remédio, quando doente.
Em 23 de setembro de 1920, na casa onde morou Nicolau, foi feita a partilha dos bens, que ficaram de herança à viúva e aos filhos, como consta no livro de transmissões de terras de Águas Claras n.º 23 fl. 1- APPOA.

Seus filhos:

F1 – Serafina Massullo: nasceu na Itália, de onde veio ainda criança com seus pais, casou-se em abril de 1884 com Nicolau Gorrese, filho de Raphael Gorrese e Antônia Fameli.. 
Nicolau Gorrese, encaminhou sua declaração de solteiro afim  de casar-se com Serafina em 26 de março de 1884: nela ele declara ser natural da paróquia de MonteSano, província de Salerno, de onde saiu à oito anos (1876), residiu quatro anos em Buenos Aires e quatro em Porto Alegre, junto com seu irmão Pascoal, na profissão de mascate, e em 1884 residia em Viamão; foram suas testemunhas Victor Ricimite, 56 anos; Nicolau Laroque, 30 anos; Miguel Fidebaldi, 33 anos; Pascoal Gorrese, 28 anos.
No ano de 1899, no dia 27 de outubro, em sua residência nas Águas Claras, Nicolau Gorrese, vendeu à Nicolau Massullo sua parte da herança do falecimento de Maria Tarequez, parte da casa de moradia e parte no campo e matos com bem feitorias e plantas, exetuado as plantas de uma horta e uma carreta de madeira que se acha cortada, por 200.000 Réis. (Águas Claras, transmissões, livro 6,52).
Segundo netos de Pascoal Gorrese, Nicolau Gorrese e Serafina foram morar em Santa Cruz do Sul.
Cândido Massullo Nunes diz que mais tarde morava em Porto Alegre. Em 14 de outubro de 1920, venderam sua parte na herança de Nicolau Massullo, à José, Manoel, Antônio Massullo e Cândido Luiz Viégas; através do procurador Antônio Gorrese (a procuração ficou arquivada no cartório) Transmissões 23,6v.
São pais de:
N1 – Antonia: nascida em 10 de fevereiro de 1885 e batizada em 30 de agosto de 1885 na paróquia Nossa Senhora do Rosário de Porto Alegre, foram seus padrinhos os tios Pascal Gorrese e esposa (B18,23).
N2 – Francisca: nascida em 10 de abril de 1886 e batizada na paróquia Nossa Senhora do Rosário de Porto Alegre, em 08 de maio de 1886, foram seus padrinhos o tio Pascal Gorrese e esposa (B19,9). Faleceu em 14 de outubro de 1897 em Águas Claras, com 10 anos de idade vítima de falta de ar, sendo sepultada no Morro Grande.
N3 – Maria: nascida em 17 de agosto de 1887 e batizada em 19 de janeiro de 1887 na paróquia de Nossa Senhora do Rosário de Porto Alegre (B20, 94), foram seus padrinhos Pascal Gorrese e esposa. Faleceu em 18 de julho de 1890 com dois anos de idade, em Viamão, foi sepultada no cemitério público, extra-muros na catacumba 16 (livro de óbitos 03 n.º 136).
N4 – Júlia: nascida por volta de 1888. Faleceu em Águas Claras em 10 de janeiro de 1898 com 11 anos de idade, vítima de amarelão. Foi sepultada no Morro Grande.
N5 Maria: nascida em 06 de abril de 1891 em Viamão e batizada em 15 de janeiro de 1892 na paróquia Nossa Senhora da Conceição em Viamão; foram padrinhos Ramiro Gomes Soares e Felicidade Carolina Fraga Soares.
N6 - João: nascido em Viamão em 21 de junho de 1897, e batizado na paróquia N. Sra. da Conceição em Viamão em 05 de maio de 1899, sendo padrinhos Faustino Meireles Vieira de Aguiar e Maria Felicidade Vieira de Aguiar (B24, 185).
Cândido, conta que Serafina vinha passar férias em casa de sua avó Antônia, e possuía três filhas mulheres.

F2 - José Masullo: nascido em 01 de setembro de 1876 em Porto Alegre, e foi batizado na paróquia Menino Deus em Porto Alegre, em 17 de setembro de 1876 (L1A F134), foram seus padrinhos os italianos Vito Antônio Matteu e Rosa Vassallo. Em 11 de julho de 1912, foi processado, por uma dívida que havia com o estado, nesta, ele disse ser em Águas Claras produtor de Água Ardente (CC A260 M12 E128 – 1912). Era alfabetizado. Vivo em 1919 no falecimento de seu pai.
Vendeu sua parte na herança de seu pai a Cândido Luiz Viégas, em 04 de outubro de 1921, campos e matos num total de +- 4 hectares por 120.000 réis (transmissões 23,67).
Cândido nos conta que José, possuía umas casas em Porto Alegre.
Segundo sua sobrinha Celestina Massullo, José trabalhava colocando veneno em formigas e teria falecido vítima disto.

F3 – Maria Antônia Massullo: nasceu em Porto Alegre em 27 de novembro de 1878, foi batizada na paróquia Menino Deus em 11 de dezembro de 1878 (filha de Nicola Masullo e Maria Tareguese), foram seus padrinhos Vito Antonio Matteo e Rosa Vassallo (L1a , f. 180v). Anos depois, já com 24 anos, casou-se em Águas Claras na casa de seu pai, em 04 de outubro de 1903 as 11 horas da manhã (cartório de Águas Claras, C1, 185v) com Cândido Luiz Viegas, com 36 anos, nascido em 03 de outubro de 1867, filho de Justino José Viegas e Ricarda Maria da Conceição; foi padrinho José Massullo com 36 anos, agricultor. Cândido era comerciante. Ambos moraram em Águas Claras, pouco adiante do atual cartório, residiram também na Lagoa Branca. Em 16 de dezembro de 1920 compraram de Maria de Sousa Rocha, viúva de Nicolau, campos e matos num total de +- 10 hectares, avaliados em 450.000 réis, que houve por herança do finado marido, no faxinal de Viamão, pelo qual Cândido paga 500.000 réis; a venda foi feita na casa de Antônio Carmo Massullo (transmissões 23,17).
Cândido Luiz Viégas faleceu às 6 horas do dia 19 de novembro de 1942, com 75 anos vítima de bronquite asmática, sendo sepultado no cemitério do Morrinho (C4,128 n. 302).
Maria Antônia Massullo, faleceu já viúva em 28 de abril de 1951, com 72 anos de idade, faleceu em casa as 15 horas da tarde, de morte súbita, sem testamento, sendo sepultada no Morro Grande (1C,147 n. 669). 
Da direita para esquerda na parte superiora: Cândido Luiz Viegas e seu gênro Pedro Gomes de Lima
Na parte inferior: Maria Antônia Masullo e sua filha Gasparina Masullo (1935).

Deixaram os filhos:
N1 – Philomena Maria Massullo: nasceu em Águas Claras em 10 de agosto de 1904 (RC 1, 142v), casou-se às 14 horas do dia 30 de março de 1927 com Saturnino da Rocha Nunes, nascido em 28 de outubro de 1903, filho de João Vieira Nunes e Maria Luiza da Rocha, faleceu Saturnino em 09 de abril de 1980 (C1,91v n.71). 
N2 – Wenceslina  Massullo: nasceu em Águas Claras ao meio-dia de 05 de agosto de 1906 (L3, 25), casou-se em Águas Claras às 16 horas do dia 10 de dezembro de 1938 com Cartolino Bernardes da Rocha (B2,69v n. 261); ele agricultor, filho de João Bernardes da Rocha (78anos) e Inácia Cardoso da Silva (67 anos).
N3 – Gasparina Massullo: nasceu em Águas Claras em 14 de novembro de 1908 (L3, 129v), casou-se em Águas Claras em 16 de janeiro de 1933 com Pedro Gomes de Lima (B4,135v n.74), nascido em Santo Antônio da Patrulha em 15 de julho de 1905, filho de Francisco Juvêncio de Lima e Francellina Gomes dos Santos e veio a falecer em Alvorada em 1998.
N4 – Duruthea Masullo: nasceu em Águas Claras em 28 de março de 1911, às 14 horas (A4,49v). Casou-se às 14 horas do dia 09 de fevereiro de 1957 com Saturnino da Silva Perfeito (LB8, 97v n. 925), agricultor, nascido em 21 de janeiro de 1900, já viúvo de Deofinda Nunes da Silva, filho de José da Silva Perfeito e Maria José Vieira de Aguiar. Diz Cândido que esta possuía um passaporte do Nicolau, que dizia que este era natural de Marcelha.
N5 – Carlos Viegas: nasceu em Águas Claras na casa de seu pai em 20 de outubro de 1913 às 11 horas da noite (LA4, 189v). casou-se às 15 horas do dia 25 de maio de 1940 no cartório de Águas Claras com Leopoldina de Sousa Feijó (L6,5v n. 309), filha de Angelino de Sousa Feijó (57 anos) e Alexandrina Rocha de Oliveira (50 anos). Faleceu Carlos Viegas em 08 de novembro de 1985 conforme óbito n. 48.639 (L6.107, 181) cartório de registro civil da 4ª zona de Porto Alegre.

F4 - Antônio de Carmo Massullo: nascido em 13 de maio de 1880 em Porto Alegre e batizado na paróquia N. Sra. do Rosário, em 21 de setembro de 1881 (L13 F45), foram seus padrinhos os italianos Pascal Garres e Rosa Nassalli. Casou-se ao meio-dia de 09 de janeiro de 1909 em Águas Claras (C2, 81) com Maria Francisca de Sousa Feijó, nascida em 25 de outubro de 1883 em Viamão, filha de Meireles de Souza Feijó e Francisca de Sousa Ribeiro; Maria Francisca de Sousa Feijó faleceu  em casa na Faxina em 31 de dezembro de 1956 e foi sepultada no Morro Grande. Antônio do Carmo Massullo, na sua habilitação matrimonial assina como Mazullo, e seu pai, diz que ele é agricultor. Ficou morando na casa e residência que era de seu pai após o falecimento deste, ali perto do córrego de Águas Claras, até que seu filho José Massullo faleceu em 1928, quando por desgosto com a perda do filho vendeu tudo e mudou-se para a Faxina na Lomba Verde. Conta Palmira Cardoso que a morte do filho foi predita por uma cigana. Antônio do Carmo Massullo faleceu em sua casa em 06 de setembro de 1965 e foi sepultado no Morro Grande. 


Antonio do Carmo Masullo (1965)

Teve os filhos:
N1 – Ângelo do Carmo Massullo: nascido em Águas Claras a 17, no cartório diz ter sido em 18 de janeiro de 1910 as 7 horas da manhã (LA4,37v) e batizado em Viamão em 18 de maio de 1910 na paróquia N. Sra. da Conceição (L29 F11); foram seus padrinhos  Angelino de Souza Feijó e Alexandrinha da Rocha. Casou-se em Águas Claras em 08 de março de 1941 com Palmira Cardoso da Silva, nascida em 25 de setembro de 1922, filha de Marcírio Cardoso da Silva e Joana Pereira de Araújo. Ângelo do Carmo Massullo, faleceu em casa na Lomba Verde em Viamão em 26 de junho de 1977. 

N2 – José Massullo de Jesus: nascido em 03 de julho de 1911 em Águas Claras, às 18 horas da tarde (LA4,78 n. 111), foram seus padrinhos José Massullo e Leopoldina de Sousa Feijó. Faleceu com 16 anos de idade, na casa de seu pai, às 4 horas de  05 de abril de 1928 vítima de febre tifóide, foi sepultado no morrinho. Gelsi diz que José contraiu a febre após banhar-se nas Águas Claras.
N3 – Celestina Maria do Carmo: nascida em Águas Claras a 20 de maio de 1913 às 3 horas da manhã na casa de seu pai (LA4,183), foram seus padrinhos Antônio de Sousa Feijó e Vicentina filha de Manoela José da Silva.  Casada com Manoel Pedro da Silva.  Viveu os últimos anos de sua vida em  um asilo em Porto Alegre. Faleceu em Porto Alegre em 30 de julho de 2003, e foi sepultada no cemitério velho de Viamão.
N4 – Antônia Maria do Carmo: nascida em Águas Claras a 16 de fevereiro 1915 às 8 horas da manhã (LA5,54 n. 23). Casou-se com Dirceu Ramos, moravam na Vila Elza. Ambos já falecidos. 
N5 – Serapião Félix do Carmo: nascido em 25 de fevereiro de 1917 em Águas Claras às 22 horas (LA6,23 n. 54). Faleceu solteiro em 08 de setembro de 1965, dois dias depois do falecimento do seu pai (C2,191 n. 1208). Foi sepultado no Morro Grande.
N6 – Francisca Maria do Carmo: nascida em Águas Claras a 28 de setembro de 1919 às 20 horas (LA6,200 n. 126), onde casou com Aristides Rocha
N7 – Maria Antônia do Carmo: nascida em 17 de janeiro de 1921, no cartório diz ter sido em 01 de fevereiro de 1922 às 18 horas em Águas Claras (LA7,162); onde casou com João Cardoso da Silva nascido em 17 de agosto de 1920, filho de Marcírio Cardoso da Silva e Joana Pereira de Araújo. João Cardoso da Silva faleceu em 17 de julho de 1996  e Maria faleceu em  março de 1997, ambos foram sepultados no Morro Grande. 
N8 – Adão do Carmo Massullo: nasceu em Águas Claras em 16 de novembro de 1926 às 7 horas da manhã (LA9, 17v), casou-se com Lélia Ávila de Abreu, filha de Antão Xavier de Abreu e Olívia de Oliveira Ávila. Faleceu em 27 de agosto de 1989 e foi sepultado em Águas Claras. 
Antonio do Carmo Masullo, filhos e netos em 1965

F5 – Manoel Massullo: nascido em Viamão em 15 de setembro de 1885 e batizado em 14 de janeiro de 1886 na paróquia N. Sra. da Conceição em Viamão (L21 F07); foram seus padrinhos Marcolino José Pacheco e Maria José Pacheco. Segundo Cândido, Manoel teve problemas mentais e foi internado no manicômio São Pedro, onde veio a falecer.
  

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. A apresentação ficou muito bonita. Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Somos do Amazonas e minha cunhada SUIENY MASSULO ROCHA, filha de Waldemir Abrantes Massulo e Rosa Maria Araújo Massulo, gostaria de saber sobre o ramo da dita família Massulo que veio para o Amazonas. Agradecemos qq informações sobre a genealogia familiar.
    Grata
    Rose Rocha

    ResponderExcluir